Páginas

sábado, 17 de abril de 2010

Há pequenos príncipes na sua empresa?

Floriano Serra


Floriano Serra, psicólogo, consultor de empresas para processos comportamentais, palestrante e articulista, autor de vários livros sobre comportamento humano. É especializado em Análise Transacional e Programação Neuro Linguística. Tem pós-graduação em Marketing. Já foi Diretor Corporativo de Recursos Humanos de várias empresas nacionais e multinacionais. Em 1996, pela sua atuação inovadora em RH, recebeu o Prêmio Destaque RH do Ano, outorgado pela revista Gestão Plus & RH em Síntese. Atualmente Floriano é diretor-presidente do IPAT - Instituto Paulista de Análise Transacional (www.ipat.com.br) e da SOMMA4 Consultoria para Desenvolvimento Pessoal e Organizacional. Com frequência, ministra palestras e seminários comportamentais"in company" em todo o Brasil, presta consultoria em Recursos Humanos e Processos Comportamentais, realiza "coatching" e aconselhamento para executivos e continua escrevendo livros e artigos - inclusive mantendo colunas fixas em algumas revistas e sites.

Desde que foi lançado em 1943, o livro "O Pequeno Príncipe", do jornalista e piloto francês Antoine de Saint-Exupéry já vendeu mais de 80 milhões de exemplares e foi traduzido para, pelo menos, 160 idiomas, atravessando gerações. Apesar desse sucesso fenomenal, ainda hoje encontramos pessoas pedantes e insensíveis que desqualificam essa extraordinária obra - que, aliás, é um dos meus livros de cabeceira - há décadas. Essas pessoas: não sabem o que dizem e nem o que estão perdendo. Aliás, a explicação para essa atitude está no próprio livro: "só se vê (ou se lê) bem com o coração". Lóóógo...

Há algum tempo visitei a exposição do Pequeno Príncipe na OCA, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Uma festa para os olhos e para a alma. Havia magia e emoção no ar. Havia ternura e empatia entre os presentes - quase uma cumplicidade. E eu não pude deixar de pensar que tudo aquilo era exatamente o que está faltando à maioria dos dirigentes e gestores das organizações. Como o leitor deve saber, o atual ambiente hostil e cruel de muitas empresas está preocupando estudiosos, profissionais da saúde, entidades ligadas aos direitos humanos e à qualidade vida - e até autoridades governamentais. A disseminação das mensagens humanas, pacíficas e sensíveis do Pequeno Príncipe certamente ajudariam muito a transformar o local de trabalho em centro de lucros e realizações e não de ameaças e sofrimentos.

Mas se nem os suicídios anunciados, nem o mortal estresse que assola as empresas, na forma do terrível burnout, nem o aumento dos processos trabalhistas por assédio moral - se nem esses dramas, prejuízos e ameaças estão sensibilizando aquelas organizações para a necessidade de uma urgente revisão da qualidade das relações no trabalho e das formas de pressão para aumento de produtividade, é difícil imaginar o que poderá ser feito para mudar o quadro. Pela mesma razão é fácil imaginar porque o Pequeno Príncipe não tem acesso a essas empresas. E, no entanto, há tantas boas lições de liderança descritas pelo principezinho...

- "Cativar é criar laços. Se tu me cativas, teremos necessidade um do outro".

Haverá melhor maneira de se obter o espírito de equipe, a lealdade, a parceria e o comprometimento? Bastará ao gestor cativar seus colaboradores. Simples assim.

- "O essencial é invisível para os olhos".

Não seria esta a melhor forma de conduzir os processos de seleção de pessoal? Buscando descobrir a essência dos candidatos ao invés dos seus títulos acadêmicos?

No livro, quando um desenho é mostrado às pessoas com a pergunta: "este desenho te dá medo?", a resposta dos adultos sempre é: "por que o desenho de um chapéu me daria medo?" O pessoal que anda tão interessado em criatividade e inovação deveria ler pelo menos esse trecho para descobrir que não se trata de um chapéu. Como se pode falar de inovação e criatividade quando se vê teimosamente um chapéu num desenho que mostra, no seu significado, toda a capacidade da fantasia e da imaginação?

A maioria das empresas hoje parece povoada por "cogumelos" - que, na sua indignação, é como o Pequeno Príncipe chama as pessoas que só pensam em coisas "sérias", como números, contas e resultados... - pessoas que "nunca cheiraram flores, olharam estrelas e nunca amaram ninguém".

Enfim, certamente não será este artigo que fará as empresas darem crachá ao Pequeno Príncipe. Nem será por causa dele que alguma empresa designará um dia e hora para que todos os seus funcionários visitem a exposição. Ou, quem sabe, aproveitando o Natal, distribuam o livro para suas equipes. Não creio. Se isso acontecer (e eu gostaria de ser informado), prefiro acreditar que será um milagre de Natal. De qualquer maneira, fica aqui a sugestão.

Enquanto isso, O Pequeno Príncipe continuará sua jornada de encantar pessoas de 8 a 80 anos. Diante desse continuo sucesso do livro, só resta aos resistentes e críticos torcerem os próprios narizes. Ou entarem a experiência de cativar alguém. Penso que não há muito que hesitar entre ficar de nariz torto Ou ganhar uma legião de amigos e de colaboradores felizes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E aí, gente, o que acharam? Ah, habilitei para anônimos de novo, então, favor, manter o nível!!

Veja o meu perfil

Minha foto
Brazil
Mão Cósmica Azul, Kin 247, Reikiana e uma pessoa legal, um ser humano no processo de evolução,como, aliás, todos somos...

Ame-se!!

Ame-se!!
Vigilantes da Auto Estima

Revista Andros para mulherada

Revista Andros para mulherada
proibido para choronas bobocas

Sigam-me os bons! e, até, os não tão bons

Vídeos de Alienação Parental Ferida no coração de pai(mãe) e filho(a)(s)

Loading...